Treinador Celso Roth lança blog no site de Zero Hora neste sábado

Intenção é difundir a comunicação direta com pessoas que gostam e opinam sobre futebol

Treinador Celso Roth lança blog no site de Zero Hora neste sábado Mauro Vieira/Agencia RBS Técnico Celso Roth lança blog no qual pretende debater sobre futebol Foto: Mauro Vieira / Agencia RBS
Luiz Antônio Araújo

Ao completar 54 anos na quarta-feira, Celso Juarez Roth estará às voltas com um presente de aniversário do qual fala com entusiasmo. Aos 15 anos de carreira como técnico de times profissionais de futebol, desde agosto no comando do Grêmio, esse caxiense lança um blog neste final de semana.



A página, intitulada Blog do Roth, está hospedada no site de ZH (www.zerohora.com.br).

— A ideia principal é eu ter um canal de comunicação direto com as pessoas que gostam e opinam sobre futebol, com o torcedor. Há muita coisa que a gente não consegue dizer numa entrevista — explicou Roth.

A internet não é um continente sombrio para esse profissional formado em Educação Física com especialização em Aprendizagem Motora pela Universidade de Caxias do Sul (UCS). Poucos técnicos mantêm, como ele, uma homepage (www.celsoroth.com.br) com currículo detalhado, fotos e vídeos. Familiarizado com a linguagem da rede mundial de computadores, Roth avisa que oferecerá ao internauta observações atualizadas de natureza técnica e, às vezes, pessoal:

— Tenho algumas histórias encaminhadas, mas a primeira coisa é a apresentação, e não se apresenta sem se ter um assunto específico. E eu acho que o assunto específico, neste momento, é o final do Campeonato Brasileiro.

Antes de um jogo, haverá posts sobre a partida?

— Não, não tenho essa intenção, não. Eu acho que essa é uma situação que poderá ocorrer. Mas não é a situação que eu estou planejando. O que estou planejando é justamente passar para as pessoas que vão me acompanhar uma ideia geral do que eu sou, do que eu penso, do que eu quero. Claro que sempre existe a exceção. Bom, se este jogo aqui é ímpar, por uma situação ou outra, a gente faz um comentário.

O Blog do Roth responderá críticas ao técnico Celso Roth?

— Não, não tenho intenção nenhuma de responder a crítica. Agora é justamente aí o grande ponto da situação, creio eu. Eu me mostrando um pouco mais, as respostas virão naturalmente.

O blogueiro considera até a possibilidade de fornecer detalhes de sua intimidade sobre os quais costuma manter discrição:

— Isso não é bem do blog, né? Isso é do Twitter. Não vamos confundir as coisas. O blog é outra coisa. É opinar sobre alguma coisa, sobre algum assunto e obviamente externar sua posição. Agora, não está fora de questão colocar alguma coisa a mais da minha vida pessoal. Num momento ou outro, vai acabar acontecendo. O técnico de futebol Celso Roth nasceu em meados de 1988, numa lancheria de Caxias do Sul. Nesse local, um relutante Roth recebeu uma proposta do amigo Luiz Felipe Scolari, ex-treinador do Grêmio com quem havia trabalhado na função de preparador físico e que aceitara convite para trabalhar no Kuweit:

— Eu vou te levar. Tu vais ser meu tradutor e vais treinar a equipe de base do Al Qadsia.

— Mas, Felipe, eu nunca pensei como treinador. Eu sou preparador físico.

— Eu vou te ajudar. Vou te ensinar.

Uma semana depois de desembarcar na Cidade do Kuweit, Roth viajou para a Hungria à frente dos juvenis do Al Qadsia, com idades entre 16 e 18 anos. A orientação prometida por Felipão foi sucinta: "Tu és professor, sabes fazer plano de aula. Faz dentro da tua didática os teus planos de treinamento que tu vais te dar bem". A temporada kuweitiana terminou em Caxias do Sul, quando Roth, em férias, assistiu pela TV em agosto de 1990 à invasão do emirado pelas forças de Saddam Hussein. O técnico ainda passaria pelo Catar e pelos Emirados Árabes Unidos – cerca de seis anos em times árabes.

— Recebo várias propostas para voltar ao mundo árabe. Até agora, não nos acertamos financeiramente.

O primeiro time profissional comandado por Roth no país foi o Brasil de Pelotas, pelo qual disputou o Gauchão de 1996. Meses depois, conquistou a Copa Daltro Menezes pelo Caxias. No ano seguinte, quando a torcida do Inter esperava Carlos Alberto Parreira no Beira-Rio, o escolhido foi Roth. O título de campeão gaúcho de 1997 foi o primeiro de uma série na qual se destacam o Gauchão de 1999 pelo Grêmio e a Libertadores de 2010 pelo Inter. Roth sonha com a Seleção?

— Treinador da Seleção tem de passar por etapas de amadurecimento: ganhar um campeonato regional, um nacional, um continental, um mundial, ter trabalhado fora do país no mínimo cinco anos, falar um outro idioma. Dessas etapas, no mínimo, um treinador deve ter 50%. Eu devo ter isso, né? Qualquer treinador do Brasil tem de pensar em Seleção, porque é o ápice. Não é o fim, mas é a glória. E eu, como ser mortal, também tenho esse sonho.

http://zerohora.clicrbs.com.br